Psicoterapia Psicodinâmica

Corrente psicoterapêutica onde os sintomas da doença são relacionados com problemas familiares e circunstâncias da vida, do passado e do presente. Destina-se a qualquer pessoa, com ansiedade, depressão e outros problemas psicológicos. Praticada em sessões semanais ou duas vezes por mês.

O que é a Psicoterapia Psicodinâmica?

Esta abordagem terapêutica assenta na crença de que o nosso comportamento é determinado por processos mentais inconscientes. Estes processos são, na sua maioria, constituídos durante a infância.

Os métodos de adaptação ao mundo e aos outros, desenvolvidos enquanto crianças, resultam de uma relação de total dependência dos progenitores e/ou de uma marcada ausência de laços afetivos. Como tal, podem já não ser eficazes quando nos tornamos adultos. Por esta razão, a infância e as relações com os pais ou outras pessoas de importância crucial para o desenvolvimento emocional da pessoa são muitas vezes o ponto de partida do encontro terapêutico.

É a relação com o psicoterapeuta que permite à pessoa tornar-se consciente dos seus mecanismos de defesa desajustados. Apesar de terem servido um propósito no passado, estes mecanismos, outrora relevantes e úteis, tornam-se agora obsoletos e até mesmo impeditivos de uma adaptabilidade a uma realidade atual distinta. Apercebendo-se de que dispõe de uma multiplicidade de novos recursos e opções, a pessoa torna-se mais capaz de resolver os seus problemas com base numa reforçada confiança na sua maturidade e independência atuais.

Esta nova perceção promove na pessoa um maior auto-conhecimento e uma maior tomada de consciência de como gere a sua relação consigo própria e com os outros. O seu bem-estar irá refletir-se numa maior qualidade de vida, liberdade e flexibilidade para enfrentar futuros desafios.

Entre os benefícios desta abordagem terapêutica contam-se:

  • um maior autoconhecimento
  • uma maior autoconfiança e autoestima
  • desenvolvimento pessoal
  • assertividade
  • maior capacidade para lidar com situações difíceis e complexas
  • compreensão emocional de si próprio e dos outros
  • melhorias nos relacionamentos
  • maior capacidade de comunicação
  • resolução de conflitos
  • clarificação de pensamentos e sentimentos confusos
  • uma maior motivação

A psicoterapia psicodinâmica tende a ser menos intensa e mais breve do que a psicanálise e privilegia a dinâmica da relação cliente/terapeuta num ambiente seguro, de total aceitação e empatia.

Sendo a psicoterapia um esforço concertado para criar significado onde há ansiedade, confusão ou vazio, a confiança no seu terapeuta é fundamental. Num primeiro encontro deverá perguntar-se se sentirá à-vontade suficiente para lhe falar da sua vida, se a maneira de ser do terapeuta lhe permitirá expressar-se sem receios e se respeitará o seu ritmo. Por melhor que seja um psicoterapeuta, é a dinâmica da relação cliente/terapeuta que determinará o sucesso do processo terapêutico.

As sessões têm a duração de 45 a 50 minutos. Poderão ser semanais ou ocorrer com mais frequência, se necessário. Será a complexidade do seu problema que irá determinar a duração da terapia. Estes aspetos mais práticos são geralmente definidos logo na primeira sessão, embora se possam fazer os ajustes necessários em sessões futuras.

A confidencialidade é um aspeto basilar da relação terapêutica. O conteúdo de cada sessão será por isso respeitado com total discrição.

Sessões de Psicanálise

Destina-se a pessoas com problemas de ansiedade e depressão, relacionado os seus problemas com relações traumáticas vividas no passado e no presente. Sessões mais intimistas, em que o terapeuta acompanha as associações verbalizadas pelo paciente. Há um diálogo permanente e uma continuidade nas sessões de psicanálise.

Praticada pelo Dr. António Paiva, na Clínica Princípio. A psicanálise é a primeira forma de psicoterapia científica. Foi criada por Freud, no princípio do século XX e consiste em duas a quatro sessões semanais, durante algum tempo.

 

Marcar consulta